quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Fênix (Marcelo Mourão)


Fênix
(Marcelo Mourão)

aposenta aquele casaco
com rasgos na gola
ele ficou arcaico
cansado e fora de moda

se livre dos elepês
cheios de chiados e arranhões
doe as velhas botinas
ganhas na copa do japão

coloque no lixo de uma vez
velhas contas de luz, de gás
seu jogo incompleto de xadrez
e coisas que nem se usa mais

a vida é cheia de mortes
páginas viradas
alma doente é água parada
ressuscitar sempre

o resto é conversa fiada

5 comentários:

Lucia disse...

Muitas, ou a maioria das vezes nos apegamos a tantas coisas, que vamos guardando no decorrer de nossas vidas... São pq objetos, lembranças,
roupas e sentimentos de angústias, mágoas, enfim...Acabamos por deixar o lado bom da vida de lado.
Muito lindo o poema FÊNIX!
É isso mesmo vamos procurar renascer a cada dia para coisas novas e belas, p/ que assim, tavez, possamos melhorar a vida de quem estiver a nossa volta.
Um beijo.
Estou adorando ver o seu blog.

SAM disse...

"a vida é cheia de mortes
páginas viradas
alma doente é água parada
ressuscitar sempre

o resto é conversa fiada"

É isso mesmo, Marcelo! Bonito, viu?


Beijo

Felipe Braga disse...

Muito bonito. Passando pela primeira vez aqui, gostei e vou vim sempre aqui. rs. Se puder passar no meu blog, deixar o que voce achou dos meus textos ficaria muito feliz.

Parabéns!

solfirmino disse...

"a vida é cheia de mortes
...
ressuscitar sempre"

EU gosto muito desse tema, escrevi vários poemas sobre Fênix e o renascer. Gostei.

Ianê Mello disse...

Bonito poema, Marcelo.

Descobri seu blog agora, pois já estou no "Poesia no Leme", só´que pelo orkut.
Eduardo T. esteve visitando um de meus blogso que me trouxe até aqui.

Parabéns pelo trabalho.

Gostaria que conhecesse o meu.

Aguardo sua visita.

Um abraço.